Amor ou paixão: veja qual a diferença e o que você está sentindo

O ano de 2020 foi um ano atípico para toda população do mundo por conta da pandemia de coronavírus. O isolamento social praticado como forma de combater a disseminação da doença, deixou muitas pessoas mais solitárias fisicamente, fazendo com que as buscas por um relacionamento em redes sociais aumentassem muito.

Por conta disso, surgiram diversos namoros de quarentena. E como o amor assim como a paixão são muito semelhantes, fazendo até estudiosos divergirem de opinião; a falta de prática com uma convivência intensa em tão pouco tempo, coloca em cheque a confusão entre estes dois sentimentos.

Se essa dúvida vem permeando sua mente, continue lendo as diferenças mais importantes entre amor e paixão nesse artigo!

Desejo inexplicável

Considerando a parte neuroquímica, a paixão nada mais é que um desejo muito forte, praticamente uma obsessão. O cérebro experimenta uma sensação de angústia: todo e qualquer tipo de atividades antes realizadas solitariamente ou com amigos, já não tem mais o mesmo brilho se a pessoa não estiver conosco.

Para se ter uma ideia de sua intensidade, a química da paixão tem exatamente o mesmo efeito do uso de drogas: neurotransmissores como a dopamina e a serotonina são tão poderosas que interferem no nosso cérebro, causando a mesma sensação de um vício.

Além disso, a idealização do parceiro, com a falsa ilusão de que é o máximo da felicidade, reflete uma inverdade de que aquilo será para sempre. É como se nada pudesse lhe atingir e houvesse uma espécie de bolha invisível envolvendo a relação a dois. Todos esses sentimentos relativos à paixão nada mais são do que os neurotransmissores trabalhando no seu cérebro para que você sinta tudo isso da forma mais intensa possível.

A atração física é o combustível da paixão

Na paixão o primeiro ponto de conexão entre duas pessoas é a atração física. Seria impossível não ligar o desejo físico com a admiração pela beleza: olhos, sorriso, corpo… o exterior é tão viciante, que só conseguirmos enxergá-lo. A paixão é mais superficial, tanto que é possível apaixonar-se à primeira vista.

A paixão cria no início uma expectativa muito alta em relação ao companheiro, aquela de que a pessoa é perfeita e sem defeitos. Mas o pouco tempo de relação não permite que possamos conhecer uma pessoa a fundo. E toda a surpresa esperada, no entanto, nem sempre pode ser agradável, já que é apenas baseada nos nossos pensamentos e desejos.

E mesmo que a atração física seja prolongada, é complicado estender a fase da paixão: justamente porque produz desgaste emocional e, também, nos recursos pessoais envolvidos de ambas partes. Ou seja, é a partir desse momento que passamos a conhecer o outro verdadeiramente.

O amor como contraponto

Por sua vez, o amor não é um sentimento egoísta. Você pode amar várias pessoas ao mesmo tempo: amar seus pais, seus filhos, seus amigos. Ele é multifacetado e plural. Ele é racional ou, pelo menos, muito menos irracional do que a paixão. Afinal, a intensidade no sentimento não é a mesma experimentada no amor por um amigo, por exemplo.

Outro ponto é que a paixão está ligada a uma grande quantidade de neurotransmissores cerebrais e há um certo desequilíbrio no sentir. Porém, com o tempo e as certezas estabelecidas através das conexões criadas durante o período dessa grande gama de sentimentos, dá-se lugar ao amor: leve, sossegado e mais realista.

É nesse “período de experiência” que a paixão pode ser o ponto inicial para o amor. Criar laços únicos e verdadeiros, através da confiança e da intimidade são, em parte, vivências que mais tarde poderão contribuir para a sobrevivência do casal nos momentos de crise que surgirem.

Empatia e cumplicidade

Os dois maiores substantivos do amor são a empatia e a cumplicidade. São eles que visivelmente tornam uma paixão, o amor como sentimento dentro de uma relação.

A prática de conseguir se colocar no lugar do outro é de longe uma das características mais altruístas do amor. Assim como a leveza e o “não-egocentrismo” estão diretamente relacionados à empatia. É saber como somos humanos e ter a humildade de reconhecer que assim como o outro pode errar ou estar experimentando algo difícil de lidar, oferecer os ouvidos e atenção devida para ajudar o ser amado.

Da mesma forma que a cumplicidade torna o caminhar da vida a dois mais tranquila, o apoio incondicional, o jamais tenta interferir em seus ideais, o saber respeitar os limites do companheiro, enfim, que concretizam o amor. Adicionando a isso a troca de experiências, sem que isso possa ser motivo de competição, a relação se faz completa.

Divergências

Devido todos sermos diferentes, ainda que haja afinidade de pensamentos e ideias entre duas pessoas, haverá momentos em que opiniões divergentes surgirão acerca de inúmeros assuntos. E são exatamente nesses momentos em que a diferença entre paixão e amor ficará mais evidente.

Enquanto a paixão idealiza o outro, sempre seguindo aquela construção de uma imagem criada em nossa cabeça; o amor terá a compreensão de saber que nosso parceiro é do jeito dele, por isso, qualquer barreira que possa existir nessas divergências de opinião será respeitada. Você saberá o momento em que o “ceder” será precioso já que existe uma relação de confiança, amizade e apoio, mútuos.

Sobretudo, a fortaleza invisível criada pelo amor é difícil de romper, enquanto a da paixão é facilmente derrubada.

Reflexão

O ponto mais importante para diferenciar esses dois sentimentos é o de que o relacionamento está pautado. Se existir uma forte química de pele, a paixão está firme e forte, mas ainda assim, como já citado anteriormente, essa não é a base de sustentação de um relacionamento.

Já se você consegue imaginar que não é a posse ou os aspectos carnais que tornam vocês diferenciados, é bem provável que haja amor. Quando você ver o outro feliz e realizado, como um dos maiores objetivos da relação, o amor já nasceu e existe, de fato, um companheirismo que é próprio desse sentimento.

Uma outra palavra importante é o amor-próprio. Ela caminha lado a lado com o amor. Caso você sinta que o outro está sendo mais importante que você mesmo nessa relação, com certeza é paixão o que você está sentido.

Foi possível elucidar um pouco da sua dúvida sobre as diferenças entre amor e paixão? Comente abaixo o que você considera mais importante nesses dois sentimentos!